UFS – Fundação Universidade Federal de Sergipe

Nível federativo: Federal

Compartilhe nas redes sociais:

Facebook Google Plus Twitter

Pedidos para órgãos públicos:

Denúncia assédio moral contra o Prof. Dr. Clóvis Carvalho Britto (UFS)

O Prof. Dr. Clóvis Carvalho Britto, do departamento de Museologia da UFS, usou de calúnia e difamação contra a minha pessoa me acusando publicamente de plágio via email enviado à todos os professores e direção do campus. Outros professores o apoiaram como o Prof. Michel Platini que me qualificou como "criminosa". O primeiro pedindo retratação pública e ameaçando me difamar na Rede de Professores de Museologia, além de usar dispositivos disciplinares da universidade. Tudo isso por eu ter escolhido pesquisar em minha monografia um tema que ele alega ser o mesmo que ele pesquisa há três anos. Que eu saiba, ninguém pode impedir ninguém de pesquisar o mesmo tema, pois há vários livros publicados nas livrarias sobre temas iguais com diferentes abordagens, segundo, porque eu sequer escrevi qualquer linha para ser falsamente acusada de plágio. Apenas usei um título "imaginação museal"que é do livro do museólogo Mario Chagas para aplicar num acervo que é público e está no IHGSE da Maria Thétis Nunes. Houve constrangimento público, há alunos falando mal de mim no campus e há pressão psicológica. Uso de poder de professor pra me coagir como aluna (assédio moral). O mesmo professor já teve outras denúncias de assédio que nunca foram à frente porque a universidade possui uma politicagem interna da direção de campus e reitoria que o protegem e assim ele vai surtando e fazendo novas vítimas. Esse professor me acusou falsamente de um crime, apoiado por outros do departamento, quero que isso seja apurado e ele seja penalizado nos rigores da lei por calúnia, difamação e danos morais a minha imagem.

Em: 02/01/2017
Não Classificado Não Classificado
(Não verificado)

Corruptela para favorecimento de candidato em concurso público Museologia UFS

Quero denunciar corruptela organizada para favorecimento e aprovação do candidato Fernando Aguiar no concurso público para professor efetivo da graduação em Museologia da UFS, EDITAL Nº 015/2016, matéria de ensino Museologia e Comunicação. O presidente da banca é amigo íntimo do candidato, ao longo de 2015 e 2016 possuíam várias fotos juntos no Facebook de almoços e rituais religiosos, o presidente da banca é "filho de Santo" do candidato, o presidente da banca costumeiramente participa de evento com o candidato ou a esposa deste, o presidente da banca convidou no ano passado a esposa do candidato para ministrar palestra na disciplina sob sua condução no Mestrado em Antropologia da UFS, o presidente da banca participou da banca de monografia da esposa do candidato. Alunos representantes do curso espalharam pelo campus que no dia da reunião de colegiado que decidiu a banca, o presidente da banca afirmou publicamente que "vários amigos seus iriam fazer o concurso", o presidente da banca faz agradecimentos ao candidato e sua esposa em sua dissertação de mestrado em Museologia pela UFBA, o presidente da banca foi para Porto Alegre com a esposa do candidato cursar um módulo do doutorado em Museologia da Universidade Lusófona de Portugal, por um mês. O presidente da banca convidou a profa. Graça Teixeira da UFBA para ser membro externo da banca, mesmo ela "não sendo especialista na área de Comunicação e Museologia" porque a mesma foi professora dele no Mestrado em Museologia da UFBA e assim a banca armada aprova o candidato Fernando Aguiar sem nenhuma contestação. Há uma Portaria da Reitoria que determina que aqueles que possuem amizade ou inimizade com candidatos de concurso não devem participar de banca e o presidente da banca não cumpre a própria resolução da universidade. O concurso precisa ser anulado ou o professor afastado da banca para garantir a idoneidade e oportunidade aos demais candidatos inscritos.

Em: 02/01/2017
Não Classificado Não Classificado
(Não verificado)

Irregularidades no Departamento de Museologia UFS

Venho por este informar várias irregularidades que tem acontecido há anos no curso de Museologia da UFS que usa o dinheiro dos contribuintes sem grande retorno pra sociedade e merecia uma intervenção para investigação ou seu fechamento. 1) Várias denúncias do corpo docente desde 2009, 2) Processos de assédio sexual e moral de 2016 contra o Prof. Clóvis Carvalho Britto arquivados por sua amizade com o diretor do Campus Laranjeiras. 3) Professor Clóvis Britto perseguindo alunas LGBT e reprovando-as em suas disciplina sem motivo, 4) Professor Michel Platini perseguindo alunas LGBT e reprovando-as nas suas disciplinas sem motivo, 5) Professora Ana Karina Calmon Rocha de Oliveira afastada por 4 anos para fazer um doutorado online na universidade particular Lusófona de Portugal. Indo toda semana para o Campus Laranjeiras ficar fechada no Laboratório de Museologia à tarde com seus alunos teleguiados para fazer conspiração. 6) Professora Neila Maciel perseguindo o bolsista do curso de Arqueologia Everton (ele até gravou vídeos de professores falando mal de aluno e outros professores e planejando arruinar a vida de outros professores no laboratório), 7) Professor Michel Platini não cumpre nunca a carga horária das aulas. Chega atrasado e ao invés de 2 ou 4 horas dá 1 ou 2 horas de aula com os alunos gastando dinheiro de passagem. 8) Professora Neila Maciel na coordenaçao do curso perdeu as datas de pedido de professor substituto para as disciplinas da professora Ana karina (a do doutorado virtual em Portugal) e os alunos ficaram um semestre sem aula ou tendo que fazer disciplina no curso de biblioteconomia em outro campus, o que foi impossível pra muito, prejudicando-os. 9) O máximo de alunos formados por ano fica entre 2 e 6 alunos e a maioria está desempregada ou trabalhando em telemarketing porque nao tem campo de trabalho e o governo federal extinguiu o cargo de Museólogo. 10) A professora Janaina Mello foi afastada 2 meses das aulas sem motivo por perseguição

Em: 02/01/2017
Não Classificado Não Classificado
(Não verificado)

Consulta a políticas/normas sobre gestão de prontuários e de documentos

SOLICITO ACESSO AS INFORMAÇÕES SOBRE O HOSPITAL REGIONAL DE LAGARTO - UFS Qual o total de pacientes atendidos neste hospital em 2016 (Ambulatório, internamento e emergência? Existe serviço de ouvidoria neste hospital? Em caso afirmativo, quantas reclamações relacionadas a atendimento sem prontuário foram registradas no ano de 2016? Qual o suporte do prontuário do paciente neste hospital? O formato atual do prontuário segue requisitos e normas arquivísticas? Quais? Existe pesquisa de satisfação sobre o Serviço de Arquivo Médico e Estatística – SAME nesta instituição? Em caso afirmativo, solicito os indicadores referentes ao ano de 2016? Existe política de gestão para os prontuários nesta instituição? Em caso afirmativo, solicito disponibilização. Houveram investimentos de recursos financeiros no arquivo médico no ano de 2016? Se sim, quais? Existe Comissão Permanente de Avaliação de Documentos - CPAD nesta Instituição? Em caso afirmativo, quantas reuniões foram realizadas pela mesma no ano de 2016? Esta instituição utiliza código de classificação e tabela de temporalidade e destinação de documentos – TTDD? Esta instituição elimina documentos? Em caso afirmativo, são utilizadas edital de ciência de eliminação ou termo de ciência de eliminação? Existem bacharéis em Arquivologia neste hospital? Em caso afirmativo, em qual área atuam? Qual a política/norma de acesso a cópia do prontuário de pacientes nesta instituição?

Em: 15/01/2017
Não Classificado Não Classificado
(Não verificado)

Portaria do DOU com o reconhecimento do mestrado em Ciências da Religião da UFS

Solicitamos a Portaria do DOU com o reconhecimento do curso de mestrado em Ciências da Religião da UFS, tendo em vista a homologação do parecer do CNE publicado no DOU de 22/09/2016. Essa portaria é de extrema relevância, considerando que desde março de 2016 os alunos desse mestrado concluíram seus cursos e não tiveram seus diplomas emitidos pois ainda não há portaria de reconhecimento do curso.

Em: 19/01/2017
Não Classificado Não Classificado
(Não verificado)